Edición Europa

2024 número 4

Soy una cuestión de identidad

Editorial

A FRAGILIDADE DA SUBSISTÊNCIA

Quando se migra, é imposta uma nova realidade que, embora imaginada, é sempre diferente de qualquer ideia anterior. É preciso começar a viver com um norte e um sul diferentes, com novas palavras para identificar o que sempre se soube, caminhar por uma nova rua e caminhar com cuidado, muitas vezes furtivamente, só por precaução. 

Se existe um núcleo familiar ou social de origem, na sua intimidade os slogans conhecidos continuam a ser utilizados, os valores e crenças enraizados nesse lugar que está presente são desenvolvidos. Por outro lado, à porta fechada, é imposta a urgência do alojamento, a pressão para se adaptar rapidamente e de forma demonstrável é palpável, correndo-se o risco de experimentar a violência do questionamento e da discriminação. Dois mundos -por vezes antagônicos- coexistindo na mesma pessoa que deve lidar com uma teia de valores, costumes, crenças e referências de diferentes origens e que são evidentes todos os dias na sua vida quotidiana. 

Tal como a própria vida, no final tudo se dilui. A divergência continua a existir, talvez a polaridade já não seja tão premente, mas as certezas ainda são escassas. O migrante ainda é um migrante, a sua fragilidade não desaparece, ele continua a ser um estranho para eles e começa a ser um estranho para os seus.

Nunca é fácil recomeçar, ainda menos se for feito com outras margens. Os migrantes vivem muitas vezes com uma inconsistência existencial, a sua perceção de si próprios é confusa e os seus passos permanecem furtivos em demasiados lugares. Só por precaução. 


 

Artigos sobre MIGRAÇÃO E DESENRAIZAMENTO:

Próximo: GOSTARIA QUE ESTIVESSE AQUI
A Trincheira Infinita: A FUGIR PARA DENTRO
Listen: ESCUTAR A PARTIR DA ALMA
Julgamento de uma raposa: HELENA NÃO É DE TRÓIA
Terrinhas: GOSTAR DAS NOSSAS BATATAS
Margem: VIVER A MARGEM EM CONJUNTO
UMA CASA PLANETÁRIA
Conversando com… Gastón González Parra
CITAS: MIGRAÇÃO e DESENRAIZAMENTO
Editorial: A FRAGILIDADE DA SUBSISTÊNCIA

Deja un comentario