Edição Europa

2019 Número 1

Ópera

Otello

de Verdi

Depois da estreia de Aida, em 1871, Verdi anunciou o fim da sua carreira. Uma afortunada confabulação entre o seu editor, Giulio Ricordi, e a sua outrora rival, o compositor Arrigo Boito, conseguiu que o mestre se interessara na composição de uma nova ópera. Verdi trabalhou por oito nos até terminar aquilo que seria a sua penúltima obra, pois logo foi convencido de musicalizar Falstaff, também baseada em caracteres criados por Shakespeare.

Dezasseis anos depois de Aída, estreou-se Otello no Teatro alla Scala de Milán (1887), interpretada por Francesco Tamagno, Romilda Pantaleoni como Desdémona, o célebre barítono francês Víctor Maurel no papel de Yago, e dirigida por Franco Faccio. Foi um êxito e instalou-se no panteão das mais célebres obras do género. Musicalmente, Otello ao igual que Dom Carlos, Aida e Falstaff, representam a música mais elaborada da produção do mestre italiano. Inclusive nas duas últimas prescinde dos recitativos e arias característicos de toda a opera italiana precedente.

O papel de Otello corresponde a um tenor dramático. Na história tem sido representado muito bem tenores como Francesco Tamagno, Giovanni Martinelli, Ramón Vinay, Mario del Monaco, Jon Vickers e Plácido Domingo.

O papel de Desdémona é cantado por uma soprana lírica ou lírico spinto. Grandes Desdémonas têm sido Renata Tebaldí, Renata Scotto, Mirella Freni, Dame Kiri Te Kanawa e Renée Fleming.

O papel de Yago é para barítono, e tem sido estupendamente cantado por Victor Maruel, Giuseppe Valdengo, Tito Gobbi e Sherril Milnes.

O tenor chileno Ramón Vinay foi um célebre Otello, cantou-o no mundo todo e no Teatro Municipal desde 1948. Retirou-se nesse palco em 1969, cantando Yago nos atos I, II y III, para cantar Otello no ato final.

Esta ópera apresentou-se no municipal por última vez em 2006, realizándose una única função. Os seus intérpretes foram David Rendall, Verónica Villaroel, Frederick Burchinal, e o seu diretor, Roberto Rizzi – Brignoli.

Este 2014, debuta em Santiago o tenor Lituano Kristian Benedikt, que nos últimos anos tem sido um intérprete de referência de Otello, Desdémona será a soprano americana Keri Alkema e Yago, o azerbaiyano Evez Abdull. A orquesta será dirigida por Allemandi.

Gastón Klein / Engenheiro Civil Calculista da Universidade do Chile. Foi presidente do Clube de Amigos da Ópera, na década dos noventa.

Deixe um comentário