Edição Europa

2024 número 4

Uma questão de identidade

Psicologia

Próximo

GOSTARIA QUE ESTIVESSE AQUI

Pablo e Elián estão separados por quinze mil quilômetros, mas não têm mais ninguém nas proximidades. Seria difícil negar que Pablo, um imigrante argentino em Sydney, e Elián, um ator espanhol em Madrid, são próximos um do outro. Perto, mas distante; acompanhado, mas sozinho.

Em Próximo, uma peça do realizador argentino Claudio Tolcachir, a proximidade e o afastamento são confundidos. O que está perto? O que está longe? As tecnologias da comunicação estão a mudar o mundo, connosco dentro dele. Como crianças, temos de reaprender o significado das palavras.

O corpo, podemos relacionar-nos sem o corpo? Sem dúvida, sim. Duas mentes podem ligar-se, fazer amizade e apaixonar-se, sem nunca terem tocado nos seus corpos. “A que cheira?”, “Que horas são ali?”, “Qual é a temperatura?”, as personagens de Próximo fazem perguntas umas às outras, perguntas que só interessam ao corpo, que procura o seu lugar na relação.

Quem está mais próximo, duas pessoas sentadas à mesma mesa, cada uma olhando para o ecrã do seu telefone, ou dois indivíduos, como Pablo e Elián, um casal de homens que não se conhecem pessoalmente, mas apenas à distância, e que se comunicam por videochamada? A tecnologia tem a mesma capacidade para nos unir que para nos separar, tudo depende de como a utilizamos.

O sociólogo e filósofo polaco Zygmunt Bauman não estava inteiramente correto nas suas críticas às redes sociais, pois apenas via o aspeto negativo inegável. É claro que é possível encontrar e manter novos laços humanos à distância, nada substitui o cara-a-cara e pele-a-pele. É verdade que nada substitui a presença física, mas aqueles que comunicam por videoconferência podem não estar à procura de substitutos, estão simplesmente a fazer uma utilização inteligente de uma ferramenta disponível. A curiosidade e o desejo pelo corpo um do outro permanecem. “Quem me dera que estivesses aqui”, Pablo anseia.

Quando os nossos avós e avós migraram foi muito difícil manter ligações com a família e amigos, esses eram os dias do correio de caracol; hoje em dia, as crianças imigrantes, na sua luta contra o desenraizamento, ligam-se online aos seus amigos no país de origem para jogarem jogos de consola. Longe, porém, corpos, o contacto físico é impossível através de ecrãs.

“Pensar num homem é como salvá-lo”, escreveu o poeta e ensaísta Roberto Juarroz. Chamar outro por vídeo é como salvá-lo, parece ser a experiência partilhada de Pablo e Elián, que salvam o outro e a si próprios. Pelo menos, desde que a comunicação não seja cortada.

“Como posso ajudá-lo?” pergunta Pablo. “Não me cortes”, responde Elián.

No passado costumávamos dizer: aperta-me a mão ou abraça-me, agora dizemos: não me cortes.

Proximidade não-corporal, mas não sem carne; há a voz e a imagem, filtrada por dois ecrãs: o que emite e o que recebe. E atrás de cada um deles, um ser humano sente-se, ao mesmo tempo, sozinho e acompanhado, como todos os outros, como sempre.

Máximo Peña / Formado em Jornalismo pela Universidade Central da Venezuela (UCV) e em Psicologia pela Universidade Nacional de Educação a Distância (UNED). Especialista em Intervenção Psicoterapêutica e Atenção Plena. Máximo é o autor do blog psicologiaparatodos.org

Deixe um comentário

> Identidade

> Resiliência

> Migração e desenraizamento

> Intolerância e Exclusão

> Juventude e Reparação

> Tempo ritual